26 jan,2015

Marcadores: Estilhaça-me, Novo Conceito, Resenhas, Tahereh Mafi

liberta-meAutora: Tahereh Mafi.
Série: Estilhaça-me, Livro #2.
Editora: Novo Conceito.
Ano: 2013.
Páginas: 448.
Classificação: ★★★★★.

Liberta-me é o segundo livro da trilogia de Tahereh Mafi. Se no primeiro, Estilhaça-me, importava garantir a sobrevivência e fugir das atrocidades do Restabelecimento, em Liberta-me é possível sentir toda a sensibilidade e tristeza que emanam do coração da heroína, Juliette. Abandonada à própria sorte, impossibilitada de tocar qualquer ser humano, Juliette vai procurar entender os movimentos de seu coração, a maneira como seus sentimentos se confundem e até onde ela pode realmente ir para ter o controle de sua própria vida. Uma metáfora para a vida de jovens de todas as idades que também enfrentam uma espécie de distopia moderna, em que dúvidas e medos caminham lado a lado com a esperança, o desejo e o amor. A bela escrita de Tahereh Mafi está de volta ainda mais vigorosa e extasiante.

Liberta-me começa exatamente após duas semanas do fim de Estilhaça-me, Julliete, Adam, Kenji e James conseguiram, finalmente, fugir dos soldados de Warner e agora se encontram em um local seguro chamado de “Ponto Ômega”. Um lugar que abriga pessoas assim como Julliete, que tem poderes sobre humanos e os ajudam a controlar e serem mais fortes, comandados por Castle, essas pessoas especiais vivem no subterrâneo do Setor 45 se escondendo o máximo possível dos soldados.

Seu relacionamento com Adam passa por muitos altos e baixos e por grande parte do livro é um dos assuntos principais, chega ao ponto em que Juliette terá que parar para pensar e refletir sobre o que é bom para ela e para ele, gerando muitas juras de amor, confusão e conflitos. Toda essa brecha na relação dos dois abre um nova fissura para que Warner bagunce ainda mais a vida da nossa personagem principal, sempre negando sua atração pelo “cara mau” Juliette lida com seus sentimentos da pior maneira possível, finge que eles não existem e não comenta com ninguém.

Gradativamente Tahereh Mafi desenvolve sua protagonista ao decorrer dos capítulos, Jullite já passou por tanta coisa, já sofreu tanto sozinha que agora que há pessoas que se preocupam e gostam dela, ela precisa saber lidar com seus sentimentos em relação a essas pessoas também.

Os personagens secundários são muito bem explorados e novos personagens vão surgindo quando Juliette passa a conhecer um pouco mais o Ponto Ômega, descobrimos o motivo de Adam poder tocar Julliete, como Castle construiu e abrigou todas aquelas pessoas e o melhor de todos, Kenji é um personagem que vemos com bastante frequência durante o livro e sempre que ele aparece é para trazer um bom humor para qualquer cena que esteja acontecendo, para ele toda hora é hora de graça e isso é o que faz de Kenji um dos personagens mais queridos da trilogia.

A segunda metade do livro é onde toda a ação acontece, Juliette começa treinamentos para controlar e expandir suas habilidades, reviravoltas acontecem, planos são elaborados e muita tensão acontece, muita mesmo. Uma não tão grande revelação é jogada bem no meio do livro e fiquei o resto do livro todinho querendo saber onde isso iria chegar e acabou que nem foi muito mencionado, apesar de ser importante para história.

Diferente de muitas trilogias onde o livro do meio sempre é o “mais chato” ou o “mais parado”, posso lhe assegurar que Liberta-me é uma exceção, apesar do começo ser mais para trabalhar o desenvolvimento da personagem com ela mesma, o livro nunca deixa de ser rápido e fluido, todos os capítulos acabam com um gostinho de quero mais e o final desse livro é simplesmente sensacional.

Ótima continuação, plot bem construído e trabalhado, novos “mutantes” se assim podemos chamá-los e uma ótima transição para a conclusão da trilogia. Estilhaça-me para mim é, sem dúvidas, o melhor livro da trilogia.


Ótimo.



Acompanhe o blog também em: Facebook | Twitter | Instagram


Postador Por:Igor Soares 2 Comentários
25 jan,2015

Marcadores: Maratona, Resenhas, Vídeos

Eai pessoal tudo bem com vocês? Eu espero que esteja tudo certo!

No vídeo de hoje eu compartilho com vocês as minhas leituras da Maratona Literária de Verão 2014 que foi organizada pelo Victor do canal Geek Freak. No fim do mês passado fiz um vídeo mostrando os livros que pretendia ler durante a maratona e como vocês me conhecem (ou não, rs) eu não li todos eles e adicionei outros na lista hehehe

Ao total foram oito livros lidos, adorei cada um deles e estou mega feliz com o meu resultado! Espero que gostem do vídeo e não deixem de divulgar e se inscrever no canal, tá?! ♥



Acompanhe o blog também em: Facebook | Twitter | Instagram


Postador Por:Igor Soares Comentários
22 jan,2015

Marcadores: Estilhaça-me, Novo Conceito, Resenhas, Tahereh Mafi

estilhaca-meAutora: Tahereh Mafi.
Série: Estilhaça-me, Livro #1.
Editora: Novo Conceito.
Ano: 2012.
Páginas: 304.
Classificação: ★★★★.

Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser um guerreiro.

Tenho certeza que você pelo menos uma vez na vida já se imaginou com poderes especiais, não é mesmo? E se esse seu poder fosse letal? E se você matasse qualquer pessoa que ousasse encostar em você? Mesmo assim ainda iria querer ser poderoso(a)? Aguentaria viver sabendo que sem querer matou uma criança pelo simples toque suas peles? Essa é a vida de Juliette.

Tratada como monstro sua vida toda, rejeitada por seus pais e abominada por “amigos” de escola Juliette sempre foi sozinha, agora aprisionada há 264 dias em uma cela  ela vive sua vida do jeito que pode, sem falar e se comunicar com ninguém, passa a maior parte do tempo contando furos na parede, fios de cabelo e qualquer coisa que durará tempo o bastante para seu dia monótono passar. Já percebemos logo de cara o quanto nossa personagem principal está debilitada, o quanto ela já sofreu e continua sofrendo. A situação é tão intensa que Juliette não sabe mais se é ou não uma pessoa louca.

Com a ajuda de um diário ela escreve e bota pra fora todos os seus sentimentos, nessas escritas podemos ver que ela já não está muito boa da cabeça e repete palavras muitas muitas vezes, no começo achei bem bizarro quando via essas palavras repetidas, mas depois que me acostumei com a mente da personagem tudo correu bem e a leitura do livro fluiu bastante. Com uma escrita simples, fluida e ao mesmo tempo bem detalhada, Tahereh usa o primeiro livro dessa trilogia para apresentar ao leitor seu incrível mundo e todas suas mudanças.

A presença de outro ser humano, Adam, em sua cela faz com que Juliette surte, depois de 264 dias sem ver nenhuma outra presença humana Juliette acredita que essa pessoa é apenas mais um dos horrorosos testes que já passara durante sua vida. Será que querem que ela mate o pobre cara? Apesar do espanto e do choque inicial, ela prefere se manter o mais longe possível para não machuca-lo e para não se apegar a alguém que, como todos, assim que souber do que ela é capaz vai rejeita-la. Adam chega para dar um rumo diferente para a história, saímos das quatro paredes em que Juliette vivia e conhecemos o novo mundo que é O Restabelecimento.

Em momento algum eu senti que a autora estava enrolando, sabe? O começo é um pouco lento sim, mas é preciso para que possamos entender tudo o que aconteceu e está acontecendo com o mundo em que vivemos. Juliette precisa se readaptar a viver na companhia de outras pessoas e ainda por cima, aceitar seu dom e decidir se usará seus poderes para ser uma arma fatal ou uma guerreira.

Cansada de sofrer desde criança, agora nossa personagem é torturada mais uma vez por Warner, o líder do Setor 45, ele manda em todos os guardas e comanda em uma grande área d’O Restabelecimento. Warner tem uma obsessão estranha por Juliette, é impossível não odiá-lo do começo ao fim do livro, as vezes tinha vontade de joga-lo contra a parede e pegar uma de suas armas e atirar em sua cabeça… Dá pra ver o quão repugnante é esse cara?

Confesso que não tinha me interessado por essa distopia, tudo sobre o que eu ouvia falar era sobre os casos amorosos de Juliette, que como sempre há um triangulo amoroso em todos os livros atuais, né? O bom é que essa distopia é mais do que a personagem principal ter que se decidir entre amar um ou outro o que de fato acontece, mas Juliette precisa decidir a amar a si mesma antes de tudo, só quando ela estiver feliz com o o que é o que pode fazer é que ela será feliz.

O que mais gostei no livro todo eu não posso falar aqui se não seria spoiler e ninguém gosta de spoilers, né? Mas acontece algo no final que dá novas esperanças à Juliette e que me deixou muito empolgado para saber mais sobre e correr para ler o segundo volume dessa trilogia. Não estava esperando, mas quando chegou abracei esse novo rumo da história e vi uma luz de esperança para o futuro de Juliette.

Para leitores que são apaixonados por distopia, para leitores que gostam de romance e para os leitores que estão querendo ler algo novo, Estilhaça-me é um começo muito bom que deixa o leitor querendo mais e mais seu próximo volume.


Muito Bom.



Acompanhe o blog também em: Facebook | Twitter | Instagram


Postador Por:Igor Soares 4 Comentários